Poema: Momento

Poema: Momento

Poema: Momento
Não deverá ser lembrado
Mas também não esquecido
Para trás das costas, largado
Para baixo sentido
Não há felicidade no futuro presenteado
E o passado está enterrado.

Viver sem via ou caminho
É viver sem morrer
Abandonar o consciente
é morrer sem viver
(Choramos)
Preenchidos estamos
(Solitários)
Porque sonhamos
(Vivemos)
Como se fosse nada
(Morremos)
Porque não há vida recordada
Presente no passado e no futuro
O homem chora
Agarrado a tudo e não viverá
O momento agora

#poema#bruno#pensamentos_de_bruno_sousa#lembrado

Mensagens Relacionadas

Energia que me movimenta o corpo

Energia que me movimenta o corpo

Energia que me movimenta o corpo, que me traz conforto, lua que me alinha a vida que me mostra a beleza de quem com olhos belos reflete o criar de sua natureza em se mostrar, dama da noite eterna que me inspira e compõe, traços, luzes, sentimentos ao vento para multiplicar o nascer do dia em eternid... (mais)

#poema-bruno #bruno_anketaton_adler

Eu sou a verdade das mentiras Sou a revelação

Eu sou a verdade das mentiras Sou a revelação

Eu sou a verdade das mentiras
Sou a revelação para lá dos muros
A certeza das incertezas
Sou o poder das montanhas
A força das águas
O aroma das florestas
A vontade do homem
O desejo da carne
O sentimento interno
Sou o todo que o nada preenche(mais)

#poema-bruno #bruno_sousa__portugal

Poema: A Esperança

Poema: A Esperança

Poema: A Esperança
De tristes a felizes
E longos ou curtos
Sol salvador; vem clarear.
Os santos deixam
E eles vêem
Todo o dia faz sol a brilhar!
A mágoa foge por fendas às ervas do campo.
Não há vida sem mágoa!
Afinal errar é humano; ser humano é... (mais)

#poema-bruno #pensamentos_de_bruno_sousa

Este coração singelo tem sentimento inocente ele é puro e

Este coração singelo tem sentimento inocente ele é puro e

Este coração singelo
tem sentimento inocente
ele é puro e belo
e ama honestamente
com a alma imaculada
só procura a sua amada
transparente e genuíno
é um coração pequenino
de grandeza depurada.
Inofensivo e carente
ama extraordinariamente(mais)

#poema-bruno #bruno_sousa__portugal

Eu sou a ponte que não acaba O aroma

Eu sou a ponte que não acaba O aroma

Eu sou a ponte que não acaba
O aroma que penetra
O tronco que permanece
O poema que perece
A nuvem que não fica
O calor que gela
O gelo que também arde
O braço que protege
O olhar que mata
O sentimento do sentimento
A dor sentida
Uma ... (mais)

#poema-bruno #bruno_sousa__portugal

Na quinta dos plátanos verdes sombria de madrugada numa alvorada

Na quinta dos plátanos verdes sombria de madrugada numa alvorada

Na quinta dos plátanos verdes
sombria de madrugada
numa alvorada gelada
erguida por entre pilares
entre tempos milenares.
Palácio de muitos andares
nascida de velhos reinados
das guerras de tempos passados
de escravos ali maltratados
que nunca pu... (mais)

#poema-bruno #bruno_sousa__portugal